____________________________________________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________________________________

Arquivo do Blog:

26 março, 2011

2011 - Ano de construção do caminho de Belém até Jerusalém - Carmem L. Teixeira

No caminho de revitalização da ação pastoral junto à juventude, provocado pela Pastoral Juvenil Latino Americana, iniciado com alguns movimentos pedagógicos em 2008, que convoca toda a Igreja do Continente a sair em Missão, conforme decisão da V Conferência dos Bispos em Aparecida - Brasil, a Pastoral Juvenil assumiu para si esta indicação porque percebeu que o convite para ser seguidora e discípula de Jesus é o caminho para sua revitalização.

Uma pastoral seguidora e discípula de Jesus é aquela que não fica parada dentro dos templos. Por isto o primeiro movimento sugerido foi o de aproximar. Aquele que diz para os/as jovens: “Nós queremos estar com vocês”. Um movimento que guarda a gratuidade de Jesus de estar com o seu povo. Ele é espelhado pela atitude de Jesus, que no caminho até Emaús se aproxima dos discípulos.

O segundo movimento pedagógico é o da ESCUTA, sobre o que falam em seus caminhos, ou seja, em seus lugares vitais. Ele é também o movimento que Jesus fez com os discípulos de Emaús: se colocou a ouvir o que eles conversavam.
Em 2010, como Pastoral Juvenil no continente, foi tempo de viver o movimento do DISCERNIR. Ele provocou a todos/as uma aventura em conhecer mais e melhor sobre a cultura juvenil, aprofundar leituras bíblicas, realizar vigílias e orações e, no segundo momento, do discernir; tomar a decisão. Assim como os discípulos de Emaús, quando fazem a experiência com o Ressuscitado, decidem voltar para Jerusalém, lugar da comunidade, do grupo e da vida marcada pela presença do Espírito Santo de Deus. Depois de caminhar com Jesus, agora são os/as discípulos/as que decidem fazer uma conversão, mudar de rumo, comover em outra direção.
No tempo de Jesus, a pedagogia mais utilizada era do discipulado. Aqueles/as que desejam aprender passavam a seguir o Mestre. Jesus diz para aqueles/as que desejam seguí-lo “Não tenho uma pedra para recostar minha cabeça”. Ele se apresenta como pobre e livre. Também nós, somos convocados/as a neste ano de 2011, a seguir Jesus e aprender Dele a ser discípulo/a.
Em 2011,como Igreja Jovem na América Latina, o convite é estar com Ele em Belém. Um lugar teológico, pois segundo alguns estudiosos, este lugar foi construído posteriormente, logo possivelmente não é o lugar de nascimento de Jesus. Porém, para nós, da comunidade dos que creem no ressuscitado, lendo a Palavra revelada, queremos nos encontrar em Belém.
Belém está na periferia da geografia do tempo de Jesus. É lá que somos apresentados/as ao Menino pela estrela que também guia pastores simples, atentos aos sinais dos tempos e confiantes no Deus de Jesus. É no caminho de Belém que os Reis Magos vão buscar informações oficiais para chegar até a gruta onde se encontra Jesus, mas é em Belém, depois do encontro com o menino na manjedoura, que vão perceber que terão que passar por outro caminho se quiserem manter vivo o Salvador entre nós.
Ali em Belém, na escola do discipulado, vamos encontrar várias pistas que Jesus vai nos dando para que a missão se realize hoje, de modo especial junto à juventude.
A Pastoral da Juventude, chamada à conversão para retornar por outro caminho, necessita rever suas pedagogias do trabalho com a juventude. Sua missão é anunciar o Reino de Deus aos/às jovens de tal modo que eles/elas reconheçam a Boa Notícia de Jesus para as suas vidas. Isto implica em mudanças profundas nas suas vidas. Antes, um caminho mais individual, agora comunitário, por isto, o empenho em criar, acompanhar grupos de jovens em cada espaço vital onde se encontra um/a jovem. O grupo como lugar da felicidade da nova possibilidade de vida. O grupo é um não ao sistema neoliberal que nos anuncia o egoísmo, a solidão, o consumismo e a vida voltada para si mesmo. Ele é o lugar da experiência comunitária, do sonho de um mundo mais justo, de um planeta cuja vida é respeitada e cuidada.

Belém nos indica o estilo de vida de Jesus. Este lugar marca a Sua opção pelos/as pequenos/as e pobres. A Sua chegada, anunciada por anjos, enviados do Senhor, dá sentido e esperança à vida dos/as pobres. Seguir a um mestre que não tem lugar para nascer é, ao mesmo, tempo um convite para que cada um/a de nós ofereça este lugar para que possa viver e crescer. É um Deus que não tem medo de arriscar por amor. Assim também a PJ é chamada a arriscar a pastorear toda a juventude que necessita de uma Palavra que seja de Vida. Fazer Pastoral da Juventude é estar com a juventude, cuidar para que a sua vida seja preservada, formar grupos para preparar jovens para fazer a pastoral. Os grupos e a organização são para que o atuar junto a toda juventude seja com qualidade, com dedicação e seja como testemunha do Ressuscitado que convoca para a vida comunitária.

A ação da PJ é pastorear, cuidar da vida da juventude de tal modo que a vida de todo e qualquer jovem seja defendida. Por isto, um apoio à Campanha contra o Extermínio de Jovens, a realização da Semana da Cidadania, cujo tema é a juventude como Terra Viva. Organizar ações pequenas, simples, porém que todos/as do grupo possam sentir-se pastores/as da juventude. Na Semana do Estudante, com coragem assumir a temática sobre a negritude e indígenas, como profetas da esperança, para superar todo qualquer preconceito contra as pessoas. Os preconceitos são barreiras que impedem os/as jovens de serem e viverem sua originalidade, sua felicidade a que foram chamados/as por Deus. Assumir com coragem a preparação e a realização do Dia Nacional da Juventude, discutir o protagonismo das mulheres, suas histórias de superação e aí reconstruir a esperança de toda humanidade com sua história de salvação e de cuidado do Deus da vida.

Fortalecer uma Pastoral da Juventude a partir dos ambientes – comunidades eclesiais, escolas, meios populares, universidades, campo e cidades para que, firmes na fé, com grupos articulados, possamos anunciar a Boa Nova como comunidade dos/as que crêem no ressuscitado.

O caminho do discipulado, que assume a missão de Jesus, passando por Belém, será o de estar disponível, livre, com coragem e sem medo de anunciar com ousadia que o Deus que é amor; amar sem medida no testemunho comunitário e pessoal do Seguimento. Queremos chegar a Jerusalém, lugar da comunidade, da manifestação do Espírito do Amor e do fogo.

Convidamos a todos/as agentes que trabalham com a juventude para compartilhar as experiências de planejamento, de roteiros para a formação de lideranças, reflexões para grupos e outros materiais que possam ajudar neste caminho de revitalizar a ação pastoral junto aos/às jovens.

Carmem Lucia Teixeira
Casa da Juventude Pe. Burnier - Goiânia/GO
 
Fonte: CAJU

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba as postagens por e-mail:

Busca no blog: